domingo, 26 de janeiro de 2014

Análise da árvore genealógica da família Vandersee

Observações importantes:

1 - na árvore genealógica desta família encontram-se registrados todas pessoas conectadas aos Vandersee de maneira direta ou indireta.

2 - Os dados mais antigos chegam ao ancestral mais remoto encontrado atualmente, cito Jürgen Schlottke que nasceu em 1684 em Stolp-Alemanha.

3 - Os sobrenomes presentes atualmente são:

3.1 - Alemanha: Ahnert, Arnold, Bausen, Becher, Bergmann, Blank, Bjick, Broeder, Calfass, Christ, Damanske, Dams, Dassow, Dubberke, Falckers, Freitag, Fiebig, Fleischer, Gabbez, Garbe, Gegenheimer, Gill, Hebert, Hertel, Hesselinck, Hifler, Hingstein, Hüller, Klauer, Knull, Krause, Lipphaus, Marx, Marchan, Mickley, Mielke, Mueller, Neitzel, Petkow, Pfefferkorn, Piotraschke, Pröger, Schaeffer, Scheele, Schenket, Schlottke, Scheil, Schum, Seibel, Siptitz, Sommer, Stieve, Stüve, Thiele, Trautmann, Trompa, Van der Köken, Vandersee (Wandersee), Wägner, Wille, Zenke, Zoldan e Zoschke, 

3.2 - Áustria: Auer, Blank, Egg, Erlacher, Foeger, Kank, Kofler, Pfürtscheller, Piedner, Robbers, Schöpf, Siller, Singer, Steiner, Strele e Walcher, 

3.4 - Brasil: Alvarenga, Araújo, Batista, da Conceição, de Oliveira, dos Santos, Coelho, Feu, Gonçalves, Lima, Linhares, Miranda, Nunes, Oliveira, Penha, Pereira, Pinto, Ribeiro, Sarmiento, Silva e Silvério. 

3.5 - Espanha: Samora.

3.6 - Holanda: Barra, Bohne, De Die, Kallaart (Kallot) e Van Schaffeln.

3.7 - Itália: Anacleto, Giacomini, Galina, La Porte, Migliorelli, Milani, Pattarone, Pissinatti, Piana, Pitoli, Possa (Pozza), Postai, Rocco, Sant'Anna, Spillare (Spillari), Thomasini (Tomasini) e Zoppi. 

3.8 - Luxemburgo: Bauler, Brommerschenckel, Entringer, Flamang, Goennoring, Schaefer e Simmor.

3.9 - Polônia: Drozdowski.

3.10 - Portugal: Alves, Agostinho, Borges, Coutinho, de Mello, Ferraz, Guerra, Ignácio, Passos, Ramos, Rocha, Souto, Tavares, Vianna e Victor.

3.11 - Suíça: Bäbler, Dürr (Diir) e Kern. 

4 - Muitos dos ramos citados não fazem parte da linhagem familiar que se estabeleceu no Brasil.

Após analisarmos todos os dados contidos na árvore genealógica família Vandersee capixaba, concluímos que:

a) sobrenomes mais numerosos:

1º - Vandersee (15%)
2º - Lipphaus (8%)
3º - Auer (3%)
3º - Freitag (3%)
3º - Goennoring (3%)
3º - Krause (3%)

b) nomes mais usados:

1º - Maria/Marie (6%)
2º - Anna (4%)
2º - João/Johann (4%)
3º - José/Joseph (3%)
4º - Catharina (2%)

c) Localidade geral:

1º - Brasil-Santa Leopoldina (20%)
2º - Brasil-Tirol (Santa Leopoldina) (13%)
3º - Alemanha (Rummelsburg) (9%)

- Principais localidades brasileiras identificadas: Santa Leopoldina e Colatina no Espírito Santo.

- Principais regiões alemães identificadas foram: Rummelsburg e Stolp na Pomerânia; Chemnitz e Wittemberg na Saxônia e Südlohn na Westphalia.

- Principais localidades austríacas identificadas: Vulpmess, Gries, Innsbruck e Obsteig no Tirol.

d) em relação à crença religiosa:

1º - católica (60%)
2º - luterana (35%)
3º - protestante (2%)
4º - pentecostal (2%)
5º - testemunhas de Jeová (1%)

Observações:
- 52% das mulheres se casaram entre 20 a 24 anos de idades. Enquanto 63% dos homens se casaram entre 20 a 24. 

- 38% das mulheres tiveram o seu primeiro filho entre 20 a 24. Enquanto 48% dos homens se tornaram pais entre 20 e 24 anos.

     

4 comentários:

  1. Olá,
    Vi que há na sua família e no Espírito Santo vários descendentes de luxemburgueses. Não sei se você já comentou isso no blog, mas uma lei de Luxemburgo de 28 de outubro de 2008 permite que todo aquele que tem um ancestral (masculino ou feminino) que possuia, em 01/01/1900, nacionalidade luxemburguesa, recuperar a cidadania. Isso se aplica a vários descendentes de imigrantes no Brasil.
    No entanto, essa possibilidade é pouco divulgada. Acho que porque Luxemburgo é um país pequeno e pouco conhecido e também porque os imigrantes de luxemburgo são todos tachados de alemães no Brasil, porque falavam alemão.
    Há bastante informação no blog http://cidadanialuxemburguesa.blogspot.com.br/.
    Deve haver várias pessoas interessadas, por isso seria bom divulgar.
    Luxemburgo é parte da Comunidade Européia e portanto, com o esse passaporte, pode-se entrar livremente na Europe e nos EUA sem limite de permanência e podendo trabalhar.

    ResponderExcluir
  2. Olá Cid!

    Obrigado por postar, e te confirmo ao 100% que esses imigrantes luxemburgueses eram sim tidos como alemães, esses casamentos lux-austro-alemaes são todos por parte dos irmãos de minha avó (que vinha de uma família austriaca) que aqui no ES casaram-se com pessoas do Tirol austríaco, Alemanha e tb Luxemburgo.

    ResponderExcluir
  3. Ola robert sou Geraldo Pitoli e gostaria de saber se vc tem ou sabe de onde ou qual provincia italiana que veio a familia Pitoli pois pouco se sabe na internet e eu estou desesperado pra achar algum doc que comprove minha origem e nao acho nada
    Desde ja grato pela att

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, olha eu não tenho como afirmar para vc que estamos falando das mesmas família. Contudo, a família que se conecta genealogicamente à minha , era da Prov. de Belluno.

      Excluir